Workana – Entenda como encontrar projetos e trabalhar como freelancer

O trabalho de freelancer é considerado um dos que mais estão em alta nos dias de hoje. Esse termo é dado ao profissional liberal, trabalhador que atua de forma autônoma. O que isso significa? Quer dizer que inexiste vínculo formal, com carteira assinada. Da mesma forma, as regras da CLT não se aplicam neste contrato de prestação de serviço. 

É comum que os freelas ofereçam seus serviços como pessoa jurídica, mais especificamente como Microempreendedor Individual (MEI). Assim, existem plataformas que reúne milhares de freelancers, uma delas é a Workana. É considerado um dos sites mais populares do mercado de trabalho. Veja mais detalhes de como funciona. 

ANÚNCIO
Workana - Entenda como encontrar projetos e trabalhar como freelancer
Fonte: (Reprodução/Internet)

Confira os tópicos que vai ler neste post:

  • Quais são as vantagens de trabalhar como freelancer;
  • Como é a rotina de trabalho;
  • Como ser um bom freelancer;
  • Outros sites para encontrar projetos e trablhar;
  • Avaliação final sobre Workana. 

Vantagens de ser freelancer

Algumas pessoas têm optado por trocar os contratos de trabalhos formais para se tornar freelancer. Agora, por que isso pode ser benéfico? A primeira grande vantagem é a possibilidade de aumentar os ganhos de maneira mais rápida. Como o profissional não finca vinculado a um teto de salário, ele pode fazer a sua renda. 

Workana - Entenda como encontrar projetos e trabalhar como freelancer
Fonte: (Reprodução/Internet)

A estimativa é que esse aumento de ganho chega a 5% ao ano. Se colocar no ponto da caneta, faz uma diferença significativa nas finanças. Outra vantagem é poder trabalhar de qualquer lugar, seja em casa, na biblioteca, cafeteria, aeroporto, casa na praia, etc. Quando se está vinculado formalmente a uma empresa, é necessário ir ao estabelecimento. 

Ainda, o freela pode fazer a gestão do seu tempo. Logo, pode determinar o horário que vai começar e terminar de trabalhar, estabelecendo sua própria duração de intervalo também. Para algumas pessoas, poder trabalhar em casa afeta positivamente a produtividade. Afinal, não perde tempo se locomovendo. 

Desvantagens 

Como qualquer coisa na vida, ser freela também tem suas desvantagens. A instabilidade financeira é o principal ponto negativo. Ao mesmo tempo que o trabalhador pode fazer o seu ganho, também corre o risco de ter pouco ou nenhum ganho durante alguns períodos. Já trabalhando com carteira assinada, o salário é garantido. 

Também, a carreira de um freelancer é solitária. No ambiente de uma empresa, o profissional tem a companhia dos colegas e do gestor, pode fazer confraternizações, entre outras coisas. Por outro lado, em casa ou em outros lugares não existe essa parceria na execução das demandas. Então, esse ponto pode ser uma barreira para quem não gosta de estar só. 

O último ponto negativo é que o freela não tem acesso a direitos e benefícios como 13º, férias e  plano de saúde empresarial, por exemplo. É preciso considerar a maneira como a empresa vai remunerar o serviço, pois a maioria pede para que o profissional tenha um CNPJ. Então, fique de olho na cobrança do imposto de renda, ISS e na aposentadoria.  

Como é a rotina do freenlancer 

Antes de falarmos com detalhes sobre como funciona a rotina de um freelancer, é importante esclarecer que existe freela para diversos ramos do mercado. Como por exemplo, fotografia, design, eventos, programação, gerenciamento de projetos, jornalismo, marketing digital, etc. A área que está bastante em alta é relacionada à produção de conteúdo na internet. 

Workana - Entenda como encontrar projetos e trabalhar como freelancer
Fonte: (Reprodução/Internet)

Pelo fato do freela ser seu próprio chefe, a rotina pode ser bem corrida. A primeira coisa que deve ter em mente é que será necessário ir atrás dos contratos de trabalho. Ou seja, vai ter que vender o próprio peixe, elaborar os contratos e se organizar para executá-los devidamente. Tenha a preocupação de documentar todos os detalhes referente às prestações de serviço. 

Os freelancers costumam investir em publicidades nas redes sociais e fazerem a organização de suas tarefas. Nessa profissão, não é possível contar com um gestor para organizar os prazos por meio da supervisão. O freela é o supervisor e o executor das tarefas, ao mesmo tempo. Então, seja organizado. 

Dicas para ser um bom freela 

Algumas pessoas acham que pelo fato do freela não ter um contrato formal e não estar subordinado a uma hierarquia, não precisa ter cautela na carreira. Está enganado. É válido considerar determinadas práticas para ser um freelancer bem sucedido. O primeiro passo é ter um portfólio consistente. O que isso quer dizer?

Conforme for conseguindo contratos de prestação de serviço, vá inserindo no portfólio de trabalho. Assim, quando se apresentar para os próximos clientes, eles vão conseguir ver quais feitos você já realizou durante sua carreira. É uma espécie de vitrine profissional e pode ser feita até mesmo por plataformas como LinkedIn. 

Falando em LinkedIn, o site é uma ferramenta essencial para quem quer ser freela. Por se tratar de uma rede social muito usada no mercado de trabalho, ter um perfil atrativo faz toda diferença. Quem não utiliza o mínimo da página, já está atrás de seus concorrentes. É comum que empresas e recrutadores procuram serviços e profissionais por lá.

Como funciona o Workana 

Claro que o LinkedIn é uma rede social importante, mas existem plataformas específicas para freelancers. O Workana é uma das mais conhecidas entre os prestadores de serviços. Vamos conhecer mais sobre? Esse site é voltado para os profissionais autônomos da área de TI, finanças, tradução, produção de conteúdo, design, entre outras. 

Workana - Entenda como encontrar projetos e trabalhar como freelancer
Fonte: (Reprodução/Internet)

Na plataforma, as empresas costumam compartilhar os detalhes dos projetos que desejam executar. Assim, os freelas entram em contato com os empreendedores e passam a negociar o valor do serviço e outras questões importantes como o prazo de entrega da demanda. Pelo fato de diversos negócios utilizarem o site, os freelancers encontram muitas oportunidades.

Para fazer o cadastro, é só entrar no site Workana e informar alguns dados que o sistema pede, como por exemplo nome completo, e-mail e criar senha. Também tem a opção de criar o cadastro através da vinculação da conta da Apple, Google ou Facebook. Em seguida, basta informar as habilidades e inserir o portfólio profissional. 

Mais detalhes 

Depois de seguir os passos citados, será a hora de procurar pelas oportunidades. É possível visualizar o campo “Encontrar projetos” e escolher o projeto que atende o seu interesse. Depois de escolher, é só clicar em “Fazer uma proposta” e se candidatar. Não se esqueça de fazer uma breve apresentação pessoal.

O pagamento também é feito através da plataforma, no ícone “depósito de garantia” e escolher a modalidade de pagamento. Assim que a proposta é aceita, a empresa precisa pagar o valor de forma integral conforme o negociado. O valor fica depositado no sistema do Workana e só é liberado após o cliente informar que recebeu a demanda. 

Lembrando que as empresas que tenham interesse em publicar os projetos precisam fazer um cadastro também. A diferença é que vão no campo “contrate” e depois em “publicar um projeto”. Posteriormente, precisa inserir categoria profissional, nome da empresa, valor oferecido pelo trabalho e descrição da demanda. 

Sites para trabalhar como freelancer

Apesar do Workana ser um site popular, existem outras plataformas úteis para busca de emprego para freelas. Uma segunda alternativa é o 99Freelas, que é bastante similar ao site que falamos primeiro. Os projetos são publicados, as propostas são enviadas e o profissional tem a chance de publicar seu currículo ou portfólio de trabalhos. 

Workana - Entenda como encontrar projetos e trabalhar como freelancer
Fonte: (Reprodução/Internet)

Os serviços podem ser utilizados gratuitamente, mas quem deseja ter acesso a ferramentas mais completas pode assinar o plano pago, com mensalidade entre R$ 29,90 a R$ 59,90 por mês. Além do 99Freelas, tem o UpWork que também oferece oportunidades para diversos setores de prestação de serviço. 

Não é uma plataforma brasileira, sendo toda escrita em inglês. Assim como o Workana, o pagamento é feito no próprio site, dando mais segurança aos usuários. É válido lembrar, que de um modo geral, as páginas recebem valores para fazer essa intermediação. Por isso, é importante checar qual é o percentual cobrado por cada plataforma. 

Freelancer.com e Contentools 

O Freelancer.com é outra opção bastante semelhante às demais citadas. Porém o principal campo de atuação tem a ver com TI, redação, tradução, contabilidade e marketing. Após fazer o cadastro incluindo competências, habilidades, informações sobre experiências acadêmicas e profissionais, o freela pode pesquisar os projetos utilizando tags. 

É possível melhorar o perfil, tornando-o mais atrativo. No entanto, as ferramentas oferecidas para isso são pagas. Logo, é importante avaliar se realmente compensa. Ainda, tem a Contentools, como o próprio nome em inglês já diz está relacionada à produção de conteúdo. Então, é mais focado para profissionais dos seguintes ramos:

  • Social media;
  • Editores;
  • Tradutores;
  • Videomakers;
  • Redatores. 

A Contentools exige que os candidatos sejam MEI para poder prestar serviços através da plataforma, devido à emissão de nota fiscal. Também, pede para que os profissionais tenham especialização em Inbound Marketing. A agência também solicita o perfil no LinkedIn para que as empresas possam acompanhar o perfil do profissional. 

Workana vale a pena?

Começar a carreira como freelancer não é fácil como muita gente espera que seja. Então, ter uma plataforma que faz a integração com potenciais clientes é interessante, pelo menos no início. A Workana parece ser um site completo, mas isso não quer dizer que precisa contar só com ele, já que existem diversas opções na internet. 

Isso significa que é possível utilizar a plataforma e outros meios ao mesmo tempo. A desvantagens de sites como esse é o custo de serviço. Isto é, a empresa precisa pagar 4,5% do valor integral do contrato. Portanto, é válido analisar se o valor oferecido pelo projeto não está saindo injusto para o prestador de serviço.

ANÚNCIO