MEC analisa a autorização de cursos EAD de Direito

Uma das profissões mais cobiçadas entre os jovens no Brasil é a de advogado. Por essa razão, a procura por cursos de Direito é sempre alta, o que levou várias universidades a disponibilizarem essa graduação.

Para que cada vez mais pessoas possam ter acesso a essa formação, o MEC está avaliando a possibilidade de serem ofertados os famosos EADs também para a formação jurídica. Porém, existem muitas questões envolvidas nesta decisão, inclusive entraves com a OAB.

As razões por trás da decisão da OAB em recusar a análise do MEC envolve uma questão polêmica, isso em relação aos cursos de educação à distância (EAD).

mec
Foto: (reprodução/internet)

Na continuação deste artigo, entenda mais a respeito do assunto!

MEC analisa propostas

Entre as várias instituições que faziam pedidos para serem autorizadas a abrir um curso de graduação no Direito totalmente online, cinco estão sendo avaliadas. Nos últimos dias, as universidades em questão receberam a boa notícia de que seriam avaliadas.

Para isso, os cursos online propostos foram pré-selecionados e, em breve, serão realizadas visitas de avaliadores nos campus destas universidades. Essas visitas fazem parte do processo que é realizado para que cursos sejam aprovados.

No entanto, é preciso ressaltar bem que em momento algum o Ministério da Educação afirmou que já houve aprovações no processo. A instituição deixa bem claro que “nenhuma instituição de ensino superior do país obteve pré-aprovação para ofertar o curso de Direito na modalidade Ensino a Distância”.

MEC analisa a autorização de cursos EAD de Direito
Foto: (reprodução/internet)

Entenda a posição da OAB

O tempo médio que o setor da educação tem essa ideia de ofertar essa modalidade para o curso de Direito é de 12 anos. O pedido se arrasta a tanto tempo pois a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pressiona à não autorização.

José Alberto Simonetti, que é o atual secretário-geral do conselho federal da OAB, defende que a formação de um advogado não pode ser feita online. Isto devido ao desenvolvimento necessário da prática forense, a qual precisa ser feita presencialmente.

Simonetti é bem contundente em sua opinião e diz que “curso online não é meio eficaz para formar advogados”. Ele ainda diz que em nenhum momento a OAB recebeu a proposta para que seja feito um curso híbrido, nas duas modalidades. Acrescentou também que “A informação que temos é que a modalidade avaliada agora pelo MEC seria 100% online”.

As vantagens do ensino EAD

Poder estudar sem ter que sair de casa já parece ser motivo suficiente para arriscar em uma graduação a distância. No entanto, ainda existem outros vários benefícios que essa modalidade oferece, entre eles estão:

MEC analisa a autorização de cursos EAD de Direito
Foto: (reprodução/internet)
  • Menor mensalidade: muitas pessoas estiveram afastadas das universidades devido aos seus altos valores, porém no ensino EAD, o dinheiro não costuma ser um problema pelo baixo valor;
  • Facilidade no trabalho: como as aulas podem ser assistidas de qualquer lugar, os tempos com deslocamento não são perdidos.

No caso de ser autorizado o curso de Direito na modalidade online, o sonho de muitos brasileiros poderá se tornar uma realidade.