Aviso de gatilho: dicas para superar o trauma no local de trabalho

Aviso de gatilho: dicas para superar o trauma no local de trabalho
Foto: (reprodução/internet)

Dezenas de pessoas usaram a pandemia para reavaliar suas vidas, e deixar locais de trabalho tóxicos está no topo de suas listas de prioridades.

Mas um local de trabalho tóxico pode deixar uma marca duradoura e, mesmo em um novo emprego e empresa, você pode se sentir “estimulado” por experiências anteriores. O trauma no local de trabalho é muito real e pode exigir alguns esforços deliberados para se curar de um ambiente hostil.

De acordo com Dale Sokoloff, psicóloga clínica treinada em Harvard e cofundadora do DKS Consulting Group, um gatilho é quando você tem uma resposta emocional a algo que aconteceu no passado.

Aqui estão algumas técnicas de uma especialista em saúde mental sobre como superar o momento e diminuir o impacto desses gatilhos:

Reconheça seus gatilhos

Frequentemente, quando somos acionados, não percebemos que somos acionados imediatamente. “As pessoas ficam paralisadas em torno de um gatilho”, diz Sokoloff.

ANÚNCIO

Portanto, o primeiro passo é reconhecer que você está tendo um momento de gatilho. “Entenda que você está tendo uma reação emocional que é pessoal para você e você tem que perceber, reconhecer e, realmente, honrá-la pelo que ela é”, diz Sokoloff. “O mais importante é reconhecer o gatilho.”

Quando você é acionado, pode sentir raiva, medo, tristeza ou opressão. “As pessoas têm todos os tipos de experiências com as pessoas e como são tratadas e às vezes reagimos emocionalmente”, diz ela. Mas se você puder identificar o que está acontecendo com você, poderá ter mais controle sobre a situação.

Desacelere e avalie

Depois de perceber que está se sentindo desencadeado, você precisa desacelerar, respirar e avaliar o que realmente está acontecendo.

“Muitas vezes, reagimos muito rapidamente”, diz Sokoloff. “Pergunte-se: ‘O que estou sentindo? O que mais pode explicar o que está acontecendo?’ Você pode perceber que já teve essa experiência antes, quando alguém se comportou de determinada maneira.”

Quando você puder fazer isso, poderá conversar consigo mesmo para diminuir a intensidade. “Temos a tendência de pensar que a outra pessoa está fazendo algo errado e isso nos deixa com raiva ou chateados”, diz Sokoloff. “Achamos que algo precisa ser consertado com eles.”

Veja também: Dicas de procura de emprego durante a COVID-19

Sokoloff diz que quando não somos acionados e algo desagradável acontece, muitas vezes atribuímos isso a um acidente ou a uma causa justificável e somos rápidos em encontrar uma maneira de corrigir isso.

Então, por exemplo, se você for excluído de uma reunião para a qual acha que deveria ter sido convidado, você pode apenas verificar casualmente com seu chefe o porquê disso.

“Mas se formos acionados, podemos começar a nos perguntar se nosso trabalho está em risco ou se estamos sendo deixados de fora intencionalmente”, diz ela.

Parte disso é sua resposta emocional a eventos passados. Talvez em seu último trabalho, seu emprego estava realmente em risco ou você foi intencionalmente deixado de fora. Mas, em uma nova situação, ser capaz de gerenciar os gatilhos o ajudará a evitar pular para essa conclusão.

“Quando você é acionado, está contando a si mesmo uma história sobre o que outras pessoas estão fazendo”, diz Sokoloff. “Pode ser pequeno ou grande, mas é a sua percepção.”

Resolva o gatilho

A etapa final, de acordo com Sokoloff, é descobrir o que você quer que aconteça e qual é o resultado que você está procurando. “As pessoas falam sobre o que não querem que aconteça, os comportamentos que desejam que sejam interrompidos”, diz Sokoloff. “Mas é mais fácil levar as pessoas a fazer algo, não parar de fazer algo.”

Então, voltando ao exemplo do convite para reunião, o objetivo não é perseguir ou punir a outra pessoa por ter acionado você, é ser convidado para a reunião. “Pense no que você pode fazer de maneira positiva para atingir essa meta”, diz Sokoloff. “Procure resolver problemas com seus pontos fortes.”

Talvez você tenha sido excluído da reunião sem querer, e isso pode ser facilmente retificado garantindo que você esteja nas listas certas.

Mas talvez você também tenha sido deixado de fora da reunião intencionalmente. Se for esse o caso, use-a como uma oportunidade para verificar com seu chefe por que você foi deixado de fora e o que você precisa fazer para ser convidado na próxima vez.

Depois de ser acionado e sair da situação, é fácil ruminar sobre o evento que o acionou. Tente fazer algo agradável, mas que o distraia, para evitar que fique agitado novamente.

Evite ser um gatilho

Também é importante que os gerentes não apenas sejam capazes de lidar com seus próprios gatilhos, mas também estejam cientes dos gatilhos de seus funcionários. Se você sabe que um funcionário veio de um local de trabalho tóxico, pode ser um pouco mais sensível na maneira como trata esse funcionário até que ele se sinta mais seguro.

Reagir aos gatilhos dos funcionários de maneira saudável não apenas ajuda seu funcionário a controlar suas emoções, mas envia uma mensagem para sua equipe de que você é capaz de reagir a situações difíceis com calma e positividade e que apoia sua equipe.

Pode levar algum tempo para curar o trauma no local de trabalho, mas saber que você está tendo uma grande reação emocional é a pista de que você foi desencadeado.

Saber o que vai incomodá-lo, ou até mesmo provocá-lo, pode ter um grande impacto ao ser acionado em primeiro lugar. E depois de perceber o que o faz ser acionado, você pode estar mais bem preparado para lidar com isso.

Traduzido e adaptado por equipe Vagas Liste

Fonte: Ivy Exec

ANÚNCIO