O fator de confiança: cinco maneiras de manter a confiança durante uma crise

O fator de confiança: cinco maneiras de manter a confiança durante uma crise
Foto: (reprodução/internet)

A confiança é um requisito vital em qualquer empreendimento de liderança. Mas a pandemia de coronavírus elevou as apostas a níveis históricos. Estamos diante de condições que são mortalmente ameaçadoras, repletas de incertezas e mudando rapidamente.

Nessas circunstâncias assustadoras, a confiança em nossos líderes se tornou o fator indispensável. A situação é inteiramente nova, com poucas orientações do passado. Temos perguntas urgentes:

ANÚNCIO

“Quando o número de casos atingirá o pico? O sistema de saúde será capaz de lidar com isso? Quando haverá um teste diagnóstico, um teste de anticorpos, uma terapia, uma vacina? Quando as coisas vão voltar ao normal? A resposta comum dos especialistas é: “Não sabemos. 

Não vimos isso antes. Estamos em modo de aprendizagem. ” Enquanto isso, durante o fechamento, um grande número de pessoas perdeu seu ganha-pão e deseja uma rápida abertura da economia. Estamos navegando em um equilíbrio delicado entre segurança e segurança financeira.

Perder a confiança no líder levanta questões importantes

A perda de confiança em nossos líderes em meio a esta crise teria consequências devastadoras. Isso levanta a questão: Quais são os blocos de construção essenciais da confiança?

Alguns anos atrás, eu estava aconselhando uma empresa de serviços profissionais cuja visão era se tornar um “consultor de confiança” para seus clientes. Pediram-me para pesquisar o assunto confiança e chegar a um conjunto de fatores que fossem concretos e mensuráveis. 

A confiança é um campo complexo com respostas diferenciadas. Mesmo assim, destilei o que aprendi em cinco pilares fundamentais de confiança. Meu cliente aplicou esses elementos com sucesso em seu modelo de serviço ao cliente. 

Minha investigação revelou que confiaremos em um líder se acreditarmos que as cinco coisas a seguir são verdadeiras sobre ele:

Leia também: Os líderes aprendem: por que um curso de liderança vale a pena

Eles entendem minhas necessidades

Liderança não é sobre poder; trata-se de serviço. A primeira tarefa de um líder é “sintonizar” com as necessidades e expectativas de seus seguidores.

Quando Nelson Mandela foi libertado da prisão e eleito presidente na África do Sul, ele enfrentou a perspectiva de um conflito racial nascido de anos de ressentimento. Mesmo assim, contra todas as probabilidades, ele conseguiu uma transição pacífica para uma democracia representativa. 

Ele estava oferecendo aos negros a chance de participar como cidadãos iguais, mas ao mesmo tempo reconhecia que os brancos tinham medo de enfrentar uma mudança de opressores para oprimidos. 

Agindo com base nessa percepção, Mandela tomou medidas para demonstrar seu amor genuíno por todos os cidadãos da África do Sul e sua determinação em criar uma “nação arco-íris”.

O fator de confiança: cinco maneiras de manter a confiança durante uma crise
Foto: (reprodução/internet)

Sua ação mais dramática, vista por milhões na TV, foi seu apoio entusiástico ao time de rúgbi sul-africano quase todo branco quando eles venceram a Copa do Mundo em 1995. Foi um momento extremamente unificador. 

Mandela viu que “a luta não era tanto para libertar os negros da escravidão, mas para libertar os brancos do medo”, segundo o comentarista Tokyo Sexwale. A compreensão de Mandela das preocupações de seus concidadãos foi um fator crucial em sua majestosa conquista.

Eles têm as habilidades para resolver meu problema

A empatia por si só não é suficiente. Os líderes devem ter a capacidade de agir de acordo. Eles devem demonstrar competência.

A atual pandemia exige o domínio de um tipo especial de competência: o planejamento adaptativo em face de eventos que se movem rapidamente, repletos de riscos e incertezas. 

O ex-general militar e presidente dos EUA Dwight D. Eisenhower disse uma vez: “Na preparação para a batalha, sempre achei que os planos são inúteis, mas o planejamento é tudo”.

Em condições dinâmicas, é o processo de planejamento que importa acima de tudo. Isso exige um sistema de avaliação e reavaliação constante com base em uma análise destemida e baseada em fatos das realidades emergentes.

Veja também: Do serviço militar ao empresarial: um veterano e estrategista compartilha 4 verdades de liderança

O governador de Nova York, Andrew Cuomo, fornece briefings diários sobre o coronavírus, mostrando tendências, explicando seu significado, definindo o aprendizado e descrevendo o que deve ser feito, quando e por quem. As pesquisas mostram que os cidadãos de Nova York sentem que seu destino está em mãos capazes.

Em uma crise, é um erro tentar seguir sozinho como o “líder heróico”. As pessoas apoiam os que ajudam a construir. Um CEO de uma empresa de manufatura envolveu seus funcionários na criação das soluções certas. Sua única injunção foi: “Por favor, trabalhem juntos para construir um ambiente de trabalho no qual você se sinta seguro”. 

Eles foram incrivelmente criativos. Eles construíram uma tenda na entrada da frente e, conforme os funcionários passavam por ela no início e no final do dia, eram borrifados com um desinfetante especial que eles próprios haviam criado na fábrica. 

Vans desinfetadas transportavam todos para o trabalho e para casa novamente, evitando o transporte público. Por fim, eles introduziram maneiras engenhosas de praticar o distanciamento social na fábrica, mantendo a produtividade. Todos se orgulhavam da propriedade de seu plano.

Eles se preocupam com meu sucesso

Os líderes eficazes são altruístas, sempre colocando os interesses de seus seguidores acima dos seus. O motivo é determinante em questões de ferrugem, e as pessoas se sentem traídas quando um líder é visto perseguindo objetivos egoístas. É em nossas ações que revelamos nossas verdadeiras intenções. 

“O que você faz fala tão alto que não consigo ouvir o que você diz”, disse o filósofo Ralph Waldo Emerson.

No nível pessoal, fui profundamente influenciado por um ato patriótico de meu pai durante a Segunda Guerra Mundial. Não houve recrutamento na minha terra natal, a África do Sul, mas em 1942 meu pai decidiu se voluntariar e deixar sua família para servir a uma causa na qual ele acreditava.

Quando menino, lembro-me vividamente de ouvir as discussões ao redor da mesa da cozinha. Minha mãe não parava de perguntar por que ele estava preparado para se colocar em perigo em uma guerra tão longe de casa. Sua resposta simples foi: “Porque é a coisa certa a fazer”.

O fator de confiança: cinco maneiras de manter a confiança durante uma crise
Foto: (reprodução/internet)

Felizmente, meu pai voltou em segurança no final da guerra. Por causa de seu exemplo altruísta de serviço ao próximo, mantive plena consciência da importância da coragem moral – enfrentando um desafio baseado em princípios em vez de na conveniência, e enfrentando os riscos envolvidos.

O ex-prefeito de Nova York, Ed Koch, era conhecido por perguntar espontaneamente a estranhos que encontrava: “Como estou indo?” Acho que ele estava fazendo a pergunta errada. Centrado nele. Sugiro que a pergunta certa deveria ser: “Como vai você?” E então ouvir atentamente as respostas.

Eles mantêm promessas

A consistência está no cerne da liderança eficaz. Bons líderes cumprem suas promessas, grandes e pequenas. Se quebrarmos nossas pequenas promessas, não seremos acreditados quando fizermos as grandes.

As promessas devem ser feitas com cuidado, não com bravatas. Durante meu tempo como CEO, foi necessário vender uma de nossas subsidiárias. A questão era avisar com antecedência aos funcionários afetados ou simplesmente esperar até que a venda fosse um fato consumado. 

Os argumentos foram em ambas as direções. Cheguei à conclusão de que a comunicação antecipada era o melhor caminho, apesar dos riscos de desestabilizar o negócio. 

De qualquer forma, essas coisas raramente são mantidas em segredo, e os boatos produzem uma versão pervertida da verdade. Então, quando chega a hora de contar os detalhes, a desconfiança já se instalou.

O fator de confiança: cinco maneiras de manter a confiança durante uma crise
Foto: (reprodução/internet)

Mas que promessas eu poderia oferecer a eles? Na reunião, disse-lhes que não podia garantir a continuidade do emprego de um novo proprietário. 

Mas fiz a seguinte promessa: tentaria ao máximo encontrar o comprador com mais probabilidade de manter as pessoas, desde que também pudesse servir aos acionistas com um preço razoável pelo negócio.

Foi uma reunião difícil, mas os funcionários entenderam a lógica e apreciaram as promessas que fiz. O negócio permaneceu estável. No final, encontramos um comprador que estava preparado para manter a maioria, mas não todos os funcionários. 

O resultado não foi perfeito, mas os funcionários perceberam que eu havia feito o possível, conforme prometido. A boa vontade resultante foi muito gratificante, e todos os outros funcionários da empresa compartilharam o sentimento positivo de que havíamos nos comportado de maneira íntegra.

Eles são contadores da verdade

Dizer a verdade é ter fé em seu povo. Os líderes às vezes acreditam que podem lidar com más notícias, mas que as pessoas abaixo deles não conseguem. Essa suposição não é apenas arrogante; isto é falso. 

Caráter e fortaleza não são funções de posição. As pessoas geralmente conseguem lidar com verdades desagradáveis, mas têm dificuldade em lidar com a negação da verdade.

A regra de ouro, especialmente em tempos de crise, é dizer a verdade nua e crua – sem leveza, sem arrodeio. Aqui, novamente, cito o exemplo do governador Andrew Cuomo. Nova York se tornou o epicentro da pandemia. 

A situação é terrível. Em seus briefings diários, Cuomo sempre enfatiza que começará com o que dizem os dados; bom mau ou indiferente. Só então ele dará sua opinião e falará sobre as decisões que devem seguir. “A verdade compartilhada deve nos guiar”, ele insiste.

O fator de confiança: cinco maneiras de manter a confiança durante uma crise
Foto: (reprodução/internet)

É necessário evitar o viés de confirmação e o fascínio de ideias preconcebidas. É fácil enganar pela omissão. Escolher dados favoráveis ​​e omitir ou tirar a ênfase de informações negativas distorce a verdade e desorienta o comportamento. Isso pode minar a capacidade dos cidadãos de administrar com sucesso suas vidas pessoais durante a crise.

Os líderes devem ter a coragem de tomar decisões difíceis diante da incerteza. A pandemia está avançando rapidamente e as realidades mudam diariamente. É essencial se ajustar prontamente às circunstâncias em evolução. Fazer chamadas erradas pode custar vidas, mas atrasos podem custar ainda mais caro.

Os erros são inevitáveis. Mas é importante que os líderes tenham humildade para admitir seus erros. A Dinamarca parece estar controlando a pandemia com relativo sucesso. Um dos motivos é cultural. 

Os cidadãos confiam em seu governo. Quando sua primeira-ministra, Mette Fredericksen, estabeleceu as diretrizes, ela disse: “Esta é uma situação nova para todos nós. Vou cometer erros? Definitivamente! Você poderia? Sim, você também. Mas devemos ouvir e aprender uns com os outros. ”

Fique por dentro: Sempre diga isto quando você se relacionar com alguém novo

Aqui está a lição. Admitir erros representa uma oportunidade de aprender com eles. Enterrar erros ou negar responsabilidades destrói essa oportunidade. O objetivo é garantir que o valor do aprendizado seja maior do que o custo do erro. É disso que é feito o progresso.

Verdade e confiança – há apenas uma letra que é diferente nessas duas palavras, e talvez seja porque uma leva à outra. Ao nos esforçarmos pela honestidade em face da adversidade, fortalecemos os laços que nos ajudam a superar a crise juntos.

Traduzido e adaptado por equipe Vagas Liste

Fonte: Ivy Exec

ANÚNCIO